Faixa do topo de Notícias
Banner de Notícias
Fique por dentro sobre tudo que acontece no mercado financeiro, no Brasil e no Mundo.
Inflação volta a subir menos para famílias de menor renda
Inflação volta a subir menos para famílias de menor renda

12 de dezembro de 2017

A inflação – medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) – encerrou novembro com alta de 0,18%, resultado 0,1 ponto percentual inferior ao Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que fechou o mês em 0,28%.

Com o resultado de novembro, mais uma vez a inflação para as famílias de menor renda – que ganham de um a cinco salários – fecha com alta menor do que a das famílias de maior renda – de um a 40 salários.

Em novembro, o INPC ficou 0,19 ponto percentual abaixo do resultado de outubro (0,37%).

No acumulado no ano, o INPC é de 1,8%, inferior aos 6,43% de igual período de 2016 e o menor resultado acumulado para o período desde a implantação do Plano Real, em 1994.

No acumulado dos últimos 12 meses a taxa ficou em 1,95%, acima do registrado nos 12 meses imediatamente anteriores (1,83%). Em novembro de 2016, o INPC foi de 0,07%.

Tanto no resultado de janeiro a novembro deste ano, como no acumulado dos últimos 12 meses, a inflação para as famílias de menor renda ficou menor do que a taxa para as famílias que ganham mais.

Segundo os números do IBGE, o acumulado do ano, por exemplo, ficou 0,7 ponto percentual menor do que os 2,25% relativos ao IPCA – a inflação oficial do país.

Preços dos alimentos caem

Assim como em relação à variação dos preços da inflação oficial, também os preços do INPC foram pressionados para baixo pela variação dos produtos alimentícios, que fecharam o mês com deflação de 0,54%, caindo ainda mais do que em outubro (-0,11%).

Os não alimentícios variaram 0,49%, uma alta também menor que a do mês anterior (0,58%).

Entre as regiões metropolitanas e municípios pesquisados, Salvador (-0,36%) teve a maior queda, com destaque para a farinha de mandioca (-12,24%) e o feijão carioca (-25,37%).

Goiânia acusou a maior alta (0,98%), impulsionada pela energia elétrica (14,84%) e pela gasolina, em média 5,03% mais cara.

Fonte: Exame

« | »
← Voltar para a listagem de notícias
Alerta contra Fraudes
Atenção: fraudadores se passam por funcionários de empresas respeitadas para efetuar golpes. Entre sempre em contato direto com a empresa antes de fechar um negócio. Na Credilink todos os consultores podem ser acionados pelo telefone 4007-1762.
Alerta contra Fraudes

AVISO IMPORTANTE - CORONAVÍRUS

Para preservar os nossos funcionários, os atendimentos estão funcionando apenas nos e-mails:

Suporte: suporte@credilink.com.br
Financeiro: financeiro@credilink.com.br
Pos-venda: posvenda@credilink.com.br

Os nossos telefones fixos estão temporariamente indísponíveis.

Salientamos que os nossos serviços continuam funcionando normalmente 24h por dia.